terça-feira, 15 de agosto de 2017

HAUL KIKO | PRIMER E MAKE UP FIXER

Estão a ver quando vão às compras e estão super entusiasmadas para comprar coisas super giras e diferentes mas depois lembram-se que também têm de comprar tops beje e meias porque andam há semanas a roubar a dos vossos irmãos? Perdem logo o entusiasmo.
Não sei porquê mas nunca me dá para comprar os básicos, mesmo sabendo que lhes vou dar imenso uso. Não fui programada para comprar básicos mas é praticamente a única coisa que uso no meu dia a dia.

O mesmo se passa com a maquilhagem: adoro ver batons e paletas de sombras, blushes e máscaras. Mas e aqueles produtos "invisíveis" que ninguém dá conta mas que fazem toda a diferença? Tá quieta. Já ando para comprar um primer e um fixador de maquilhagem há anos mas quando vou a uma loja sou naturalmente atraída para outras coisas.

Aproveitei os saldos da kiko e bati o pé: só ia comprar aqueles dois produtos, desse por onde desse.
Felizmente encontrei o que procurava e estavam ambos em saldos (a minha carteira ficou feliz).


SKIN TRAINER CC BLUR PRIMER
Trata-se de um primer com cor (optei pelo tom médio) que torna a nossa pele super aveludada e uma base perfeita para a maquilhagem. Podemos usá-lo sozinho: como tem alguma cor funciona como um BB cream super leve ou então como uma base para uma "full face".
Ainda só o usei uma vez mas a minha opinião foi muito positiva, além disso deixa realmente a pela SUPER SUAVE e aveludada, fiquei mesmo surpreendida.


FACE MAKE UP FIXER
Depois trouxe também um spray para fixar a maquilhagem. Nunca testei nenhum antes por isso isto é toda uma nova experiência para mim. Usei-o quando fui sair e a maquilhagem aguentou-se a noite inteira. Ainda tenho de usá-lo mais vezes para ter uma opinião formada mas até agora é um sim!


Também vos custa comprar os básicos e aquelas peças "invisíveis" mas que fazem toda a diferença? Ou têm dois dedos de testa e sabem investir o vosso dinheiro nas peças chave? Digam me tudo nos comentários.

domingo, 13 de agosto de 2017

10 COISAS SEM AS QUAIS NÃO CONSIGO VIVER

Uns mais que outros, todos nós nos apegamos a certos bens materiais e já não conseguimos imaginar o nosso dia sem eles. Já nem sequer quero mencionar telemóveis, internet, computadores ou música porque é algo quase universal que ninguém dispensa (já para não falar das condições mínimas para sobreviver não é??). Estou a falar de outras coisas, pequenas coisas que tornam o nosso dia a dia mais agradável e confortável e que já não dispensamos por nada.

Achei que ia ser um post engraçado porque, enquanto tentava escreve-lo, dei conta que uso imensas coisas todos os dias e, em alguns casos, nunca lhes dei o devido valor.


1. CREMES
Creme de mãos, creme de corpo, creme de cara, creme de olhos, creme de pés.... You name it. Tenho a pele super sensível e estou sempre com necessidade de hidratar. Ainda por cima agora no verão!! Se não tivesse acesso aos meus queridos cremes seria um completo deserto ambulante.


2. EXERCÍCIO FÍSICO
Se nunca mais pudesse fazer exercício físico acho que me dava uma coisinha má. Sou uma pessoa muito ativa que tem de se estar sempre a mexer por isso tenho de fazer exercício NO MÍNIMO uma vez por semana. 


3. BULLET JOURNAL
Sim, não conseguia mesmo viver sem o meu caderninho. Aponto lá imensas coisas: desde ideias para posts no blog a despesas e entradas diárias. Está 100% personalizado por mim e adoro rabiscar e decorá-lo sempre que tenho tempo. 


4. PELUCHES
Quando era mais pequenina, adorava peluches para me fazerem companhia durante a noite.Agora é mesmo porque sinto a necessidade de agarrar alguma coisa fofa para conseguir adormecer. 5 minutos depois de adormecer atiro-os para o outro lado da cama, mas são fundamentais para me ajudarem a ficar confortável na altura de dormir.


5. BB CREAM
Se só pudesse usar um produto de maquilhagem para o resto da vida seria o BB CREAM. Tem um efeito tão natural mas sinto me muito mais confiante quando o uso.


6. BATOM DO CIEIRO
Estão a ver aquelas pessoas que estão constantemente a aplicar batom do cieiro? Prazer, essa sou eu! Tal como os cremes, tenho uma necessidade imensa de estar sempre a hidratar os lábios porque se os deixo ficar secos até a falar me custa!


7. LENÇOS
Antes era uma criança mesmo mesmo muito ranhosa e tinha de levar comigo, todos os dias, dois ou três pacotes de lenços para escola (não, não estou a exagerar, chegava ao fim do dia com os pacotes vazios...). Isso criou em mim o hábito de trazer sempre um pacote de lenços na carteira porque nunca se sabe quando vamos precisar right?


8. PRODUTOS DE CABELO
Desde que cortei o cabelo que os cremes, óleos e gels fazem parte da minha rotina diária e não os trocava por nada. Sem eles o meu cabelo fica super liso e sem textura e, sem ofensa às meninas que têm o cabelo liso,(eu gosto muito de ver mas não em mim) perde toda a graça.


9. LINHA, CERA, PINÇA, LASER...
Basicamente, qualquer coisa que elimine os malditos dos pêlos. Fui amaldiçoada (ou abençoada, depende da prespetiva) por pêlinhos chatos e escuros que crescem mais cedo do que deviam e andam sempre a chatear-me, por isso posso dizer que sou fã de (quase) todos os métodos de depilação existentes. Obrigada por me salvarem a vida já agora!!


10. ELÁSTICOS NO PULSO
Acho que isto é super comum nas raparigas ou, melhor dizendo, em toda a gente que tem o cabelo minimamente comprido. Não me lembro de andar um dia em casa em que não tenha o cabelo apanhado, é que é tão mais prático, para tudo!!! Ando sempre com um ou dois elásticos no pulso (porque, verdade seja dita, há sempre alguém a pedir-nos um) e quando me esqueço sinto logo que falta qualquer coisa.




O que é que vocês nunca dispensam no vosso dia a dia?
Gostaram? Acho que vou ter de fazer uma parte II porque houve imensa coisa que não falei eheh.
Digam me o que acharam nos comentários e para todos uma boa semana!

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

FAVORITOS DE JULHO | 2017

É dia 11 de Agosto mas ainda é aceitável fazer um post de favoritos de Julho certo....?
Até tenho medo de dizer mas Julho chegou ao fim. Isso significa que só tenho mais um mês de férias e depois estou de volta à rotina (eu sei que muita gente ainda nem está de férias mas cada um se queixa da sua vida, somos tão mesquinhas neste aspeto...).

Julho foi o mês de voltar a casa e saborear os domingos à tarde sem ter a preocupação de apanhar o ultimo autocarro para o Porto. Foi um mês de muita piscina, praia, de voltar ao exercício físico e de voltar a ver amigos há muito distantes. Julho foi um mês de dedicação e de progressos aqui no blog. Julho foi bom e fez me sentir outra vez eu mesma.


TRX
Para quem não sabe (eu não sabia) : "TRX é a sigla de Total-Body Resistance Exercise e é um aparelho usado para fazer treino em suspensão em que se usa única e exclusivamente o peso do próprio corpo".
Juntei-me a um ginásio que dá aulas outdoor de TRX e estou a adorar: o treino é intenso na mesma mas é diferente do que estava habituada porque nos apoiamos em "fitas" para fazer todo o tipo de exercícios. É  muito mais dinâmico e parece que não fazemos tanto esforço, apesar de os resultados aparecerem à mesma.


MOM JEANS
Eu uso e abuso deste tipo de calças all year mas chega ao verão e eu ponho de parte as skinny jeans. E o que me resta? As minhas fiéis, confortáveis e largas mom jeans. Tenho umas da zara que são a minha perdição mas para a próxima estação quero ver se encontro outras numa cor mais...diferente.


MENTES CRIMINOSAS
Esta é a série que eu adorooo de morte mas só consigo ver de dia e se não estiver sozinha em casa. Podem-se rir à vontade mas quem já viu sabe que os episódios e as histórias podem ser mesmo macabras e demasiado explicitas para o meu cérebro imaginativo. Tirando o meu medo irracional, é uma série excelente que me deixa colada ao ecrã do inicio ao fim. Adoro todas as personagens e não consigo mesmo escolher a minha favorita porque todas têm aspetos especiais. Recomendo para quem goste de series de crime, suspense e muita exploração do psicológico humano.


POST FAVORITO
Normalmente não faço esta categoria mas este mês senti-me obrigada a fazê-lo depois de ler o post da Sofia: "5 dicas de SEO para blogs". Neste post ela dá dicas de como otimizar as visualizações do nosso blog assim como nos elucida para o funcionamento por detrás dos motores de busca (universo que eu desconhecia por completo). Achei um post super completo e muito informativo, perfeito para quem está à procura de dicas para melhorar ainda mais o seu blog.


MOMENTO DO MÊS
Houve dois momentos que me marcaram imenso este mês e como tal tive de falar de ambos
O primeiro foi o NOS ALIVE. Ver as vossas bandas favoritas ao vivo é uma experiência fantástica.

O segundo foram os dias que passei com as minhas amigas de secundário no Porto. Foram dias incríveis e cheios de passeio, de diversão e de muitas fotos. Estávamos mesmo a precisar de uma reunião destas.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

QUE CURSO ESCOLHER? | BOA SORTE AOS FUTUROS CALOIRINHOS

Ontem, dia 8 de Agosto, foi o último dia das candidaturas à primeira fase do ensino superior. Para muita gente, as 6 escolhas que fizeram vão ter uma grande influência no seu futuro, positiva ou negativamente. É de facto um grande passo mas relaxem pessoal, já está feito (risos).

Foi com o intuito de ajudar as pessoas mais indecisas e dar a conhecer um pouco mais de alguns cursos que criei a rubrica "QUE CURSO ESCOLHER?" e não podia estar mais contente com o feedback obtido. Vocês foram incríveis com todo o vosso apoio e comentários e fizerem me sentir mesmo confiante à cerca do projeto. Se ajudei pelo menos uma pessoa a fazer a escolha mais acertada já me dou por (muito) feliz.

Escolhas feitas, não há grande coisa que os futuros caloirinhos possam fazer senão esperar. E a espera pode ser stressante (bem sei) mas mais vale aproveitarem o resto do verão, am I right? Porque em setembro a vossa vida vai dar uma vota de 360 graus. Mas devem aceitar esta mudança como um desafio que vão conseguir superar.

Com a aproximação de setembro vou começar com a minha "série de regresso às aulas " (se assim lhe podemos chamar) de modo a tentar ajudar-vos neste novo mundo e também (como é obvioooooo) ler os vossos comentários e aprender com quem já tem muitos mais anos disto que eu.

Dito isto, deixo aqui a lista com todos os posts relacionados com o regresso às aulas/faculdade que fiz nos anos anteriores, caso vocês queriam dar uma vista de olhos:


2016

2015


2014

domingo, 6 de agosto de 2017

QUE CURSO ESCOLHER? | #6 ESTUDAR NO ESTRANGEIRO

E chegamos à última edição (pelo menos este ano!!) da rubrica "QUE CURSO ESCOLHER?" (lágrima). O fim das candidaturas está-se a aproximar e como tal, já não faz grande sentido continuar com a rubrica tendo em conta o seu título.
Mas não fiquem tristes!! Para acabar em beleza, a edição de hoje será um pouco diferente: o que me dizem de saber um pouco mais à cerca da vida de um estudante que decidiu fazer o ensino superior no estrangeiro?

Nome: Bárbara Gonçalves
Cidade: Brighton
Ano: Ano zero

O que te motivou para ir estudar para fora?
Desde que me lembro, quando eu e a minha família conversávamos sobre potenciais universidades e cursos a considerar, a minha mãe sempre foi a maior adepta da possibilidade de estudar noutro país. No início estava um pouco apreensiva pois queria estudar em Portugal mas depois entendi que se tinha essa oportunidade, devia agarra-la, pois tinha imensas vantagens e sempre era uma experiência nova. As opções foram várias, entre Estados Unidos, Inglaterra, Escócia e Dinamarca a fazerem parte da lista. No entanto, para deixar todas as minhas opções abertas, acabei por me candidatar a universidades em Portugal, Inglaterra e Dinamarca (tendo sido mais tarde aceite em todas).


Como foi o processo de candidatura para a universidade na Inglaterra? Como me candidatei tanto a Portugal como a Inglaterra pude perceber que existem várias diferenças no processo de candidatura entre os dois países. No Reino Unido existe uma plataforma online que pode ser utilizada universalmente por toda a gente que queira estudar lá, chamada UCAS. Vou destacar algumas particularidades:
1. O prazo. Enquanto que em Portugal a candidatura é feita no Verão (+\- 2 meses antes das aulas começarem), em Inglaterra a candidatura tem que estar concluída em Janeiro (7/8 meses antes das aulas começarem).
2. A chegada da tão ansiada resposta. Em Portugal sabem-se as colocações em Setembro, sensivelmente uma semana antes das aulas começarem, enquanto que em Inglaterra as colocações saem no início de Julho, 2 a 3 meses antes das aulas começarem, permitindo aos futuros alunos mais tempo para se organizarem em relação a todos os aspetos logísticos.
3. Talvez o mais importante, as condições de aceitação na universidade. Enquanto que em Portugal tudo depende da média do secundário, em Inglaterra tudo conta: as notas desempenham um papel essencial claro, mas o voluntariado, atividades extra curriculares, pequenas experiências de trabalho e estágios são também factores decisivos na tua aceitação.
4. Carta de motivação e referências. Para além da informação pessoal e das notas, o estudante tem também que escrever uma carta de motivação de aproximadamente 3000 palavras a explicar o porquê de querer estudar aquele curso e quais são os seus pontos fortes e fracos. Adicionalmente, os professores têm que escrever pelo menos uma referencia sobre o aluno, sendo sempre justos e imparciais na sua opinião.

Chegado Setembro, qual foi a tua decisão final? Isto pode até parecer irónico, mas depois de ter entrado em universidades em três países diferentes, acabei por decidir não ir para a universidade naquele ano. Sempre fui apologista de gap years pois sei o quão confusos e imaturos podemos estar em relação ao nosso futuro após o secundário, mas sabia que isso não seria uma opção para a minha família. Apesar de ter sido aceite em Inglaterra, não tinha sido numa universidade tão conceituada assim pois os critérios de Portugal desvalorizam um pouco em Inglaterra. Depois de algumas pesquisas e de ter falado com uma amiga próxima, resolvi fazer um Foundation Year ou Ano Zero. Num ano zero, combina-se a matéria do secundário do sistema inglês com a matéria que provavelmente vais estudar no primeiro ano da universidade no teu curso. Resumidamente, entrei num colégio que prepara alunos internacionais para prosseguirem o ensino superior no Reino Unido, dando todas as bases e ajudando em todos os pormenores para que entrem na universidade que realmente seja a merecida para o trabalho de cada um. Escolhi a minha área do Foundation como Engenharia e tive todas as disciplinas mais específicas como Matemáticas, Mecânicas, Físicas, Eletricidade e as mais base, como Inglês Académico e Programação Básica de computadores. A avaliação em algumas disciplinas era feita através de um só exame final de cada trimestre e noutras através de trabalho contínuo ao longo do trimestre. Estás arrependida da tua decisão? Mudarias alguma coisa? Não estou nada arrependida de ter feito este ano zero, pois sei que se fosse para uma universidade inglesa sem ele (muito) provavelmente tinha deixado algumas cadeiras e o primeiro ano não teria sido nada fácil e motivante. Vou agora para a universidade com a consciência de que estou preparada para vários desafios no mundo da engenharia, que posso fazer perguntas sem me sentir desconfortável e muito mais certa do que realmente quero. Além disso, este ano foi indispensável para melhorar o meu inglês académico, adaptar-me ao sistema de ensino britânico e ao próprio país, fazer boas amizades e conhecer uma cidade incrível como Brighton. No entanto, mudaria algumas coisas claro. Em primeiro lugar, teria feito o Foundation já na universidade que eu queria, pois além de te habituares desde logo ao campus e à vida universitária, em termos financeiros teria poupado muito em propinas. Também deveria ter decidido as coisas com muita mais antecedência, para não ter que tratar de tudo tão em cima da hora com as aulas já a decorrer.


Edições Anteriores

segunda-feira, 31 de julho de 2017

PULL AND BEAR SUMMER HAUL | VINTAGE VIBES

Hoje trago mais um haul, desta vez só com peças da Pull&Bear. Sempre adorei esta loja mas ultimamente saía sempre de lá com as mãos a abanar.
Desta vez entrei com um propósito: encontrar uns calções de ganga larguitos. Consegui encontrar o que procurava e ainda saí com algumas "peças bonús".


Mom Shorts
Quando encontrei estes calções nem queria acreditar, eram perfeitos: o wash deles é lindo, são de cintura subida e são estilo "mom jeans" mas em calções. São um 38 e custaram 19,99€. O único "senão" é que me ficam um pouco largos na cintura mas isso acontece-me em todas as peças de cinta subida por causa das minhas ancas (grgrgrggrgr) portanto não há grande coisa a fazer.


Crochet Shorts
Depois vi estes calções pretos super giros em algodão. Achei uma peça super versátil e confortável: tanto dá para o dia como para a noite porque fica bem com uma blusa mais formal ou com uma graphic tee. Trouxe um L e custaram 15.99€.


Vintage Belt
Quase à saída uma das minhas amigas descobriu esta beldade: um cinto preto para peças de CINTURA SUBIDA (é super difícil encontrar cintos que me sirvam na cinta...) com um aspeto vintage que eu adorei. Foi 5,99€ e optei pelo tamanho mais pequeno disponível (30).


Graphic Men's Tee
Antes de ir para a caixa decidi ir dar uma vista de olhos à secção de saldos de homem não fosse eu estar a perder um grande deal. Encontrei esta graphic tee e foi amor à primeira vista. Custou apenas 3€ e adorei o desenho, a cor e o corte. A única coisa que não gosto tanto é o comprimento (como é de homem, é mais comprida e estreita em baixo) mas nada que não se resolve com uma tesoura ;)


Saí da loja e pus me a olhar para o saco: estava a sentir vibes muito vintage daquelas peças e estava a adorar. Sem dúvida que quero fazer mais compras do género e, quem sabe, ir mesmo a uma loja vintage tentar a minha sorte. 

Qual foi a vossa peça favorita? Também costumam ir à Pull?

sexta-feira, 28 de julho de 2017

QUE CURSO ESCOLHER? | #5 ENGENHARIA BIOMÉDICA

Mais uma engenharia, siim!! Agora é a vez de uma das minhas colegas de casa e bestie friend Sofia de vos dar a conhecer o universo da Engenharia Biomédica.


O que é que te levou a escolher este curso?
A escolha deste curso não foi nada fácil. Inicialmente achava que não estava “talhada” para seguir um curso relacionado com ciências, muito menos com engenharia. No entanto, à medida que fui ultrapassando as dificuldades do secundário, apercebi-me que afinal estava no caminho certo e comecei a interessar-me pelas engenharias.
O meu pensamento ao candidatar-me foi “quero uma engenharia que envolva biologia”. Pesquisei sobre várias engenharias e encontrei Engenharia Biológica mas à medida que fui falando com vários conhecidos meus sobre esta engenharia, fui-me apercebendo que não seria o curso ideal e, portanto, “virei-me” para Engenharia Química que era a engenharia mais parecida com Engenharia Biológica. Acabei por preencher 5 opções da minha candidatura com Engenharia Química em várias faculdades e politécnicos. Mas faltava-me uma opção e, graças à ajuda da minha mãe que se fartou de pesquisar possíveis cursos que me agradassem, encontrei Engenharia Biomédica que, verdade seja dita, acabava por ser exatamente o que eu queria.
A que seria a 6 opção acabou por se tornar na 1 primeira e milagre dos milagres acabei mesmo por entrar e não podia estar mais feliz.


Descreve o curso e a sua essência num parágrafo. Quais são as áreas que mais aborda?
Engenharia Biomédica acaba por ser uma mistura de várias cadeiras de muitas outras engenharias, focando principalmente em adaptar os conhecimentos da engenharia tradicional a problemas médicos. É um curso muito versátil que aborda desde a eletrónica, à programação e à própria biologia.


Quais foram as principais dificuldades que enfrentaste até agora, a nível académico?
Logo desde início apercebi-me que o ritmo nada tem a ver com o do secundário. A matéria é dada a uma velocidade estonteante e é muito fácil perder o fio à meada.
Depois são abordados muitos temas que pouco ou nada foram falados durante o secundário, portanto no início senti-me um pouco perdida. Claro que acabam por ser problemas que, com o tempo e a experiência, acabam por ser solucionados.


O que achas dos métodos de avaliação/rácio teoria-prática do curso?
Na minha opinião, todas as cadeiras deveriam ser avaliadas progressivamente ao longo do semestre, através de frequências. O facto de termos de fazer grande parte das cadeiras por exame prejudica-nos pelo facto de haver uma grande acumulação de matéria.

Na tua opinião, qual o perfil que alguém deve ter para ser bem sucedido neste curso?
Penso que o que importa quando se entra num curso de engenharia, qualquer que seja a engenharia, é ser interessado, saber aceitar desafios e ter curiosidade por várias áreas, ou pelo menos estar motivado para ganhar interesse pelas áreas que à partida são mais “aborrecidas”.


Estás arrependida de teres escolhido este curso?
Nem um pouco, antes pelo contrário. Sinto-me bem neste curso e sinto que não poderia ter feito melhor escolha. É um curso com o qual me identifico bastante e que me dá vontade e motivação para querer aprender e alcançar cada vez mais e mais.


Edições anteriores
© Uma colher de arroz
Maira Gall